Home

25 de outrubro de 2014

Caros Paroquianos, com um “clik” no banner “A Palavra de Deus na vida”, acima, você pode meditar a Palavra de Deus diariamente, faça essa experiência!Que a Palavra de Deus ilumine todos nós!

 


 

A CRECHE ANJO DA GUARDA PRECISA DE VOCÊ!!

Com um "click" no banner acima: "Construção da Creche Anjo da Guarda" você poderá ajudar concluir o acabamento interno da obra. Precisamos de: todos os pisos cerâmicos, bancadas e divisórias de granito, portas de madeiras, louças e metais sanitários, luminárias, vidros, pinturas.

 

SANTO ANTÔNIO DE SANT'ANNA GALVÃO – SANTO DO BRASIL

 

Conhecido como “o homem da paz e da caridade”, Antônio de Sant’Anna Galvão nasceu no dia 10 de maio de 1739, na cidade de Guaratinguetá (SP). Filho de Antônio Galvão, português natural da cidade de Faro em Portugal, e de Isabel Leite de Barros, natural da cidade de Pindamonhangaba, em São Paulo. O ambiente familiar era profundamente religioso. Antônio viveu com seus irmãos numa casa grande e rica, pois seus pais gozavam de prestígio social e influência política.

O pai, querendo dar uma formação humana e cultural segundo suas possibilidades econômicas, mandou Antônio, com a idade de 13 anos, à Bahia, a fim de estudar no seminário dos padres jesuítas. Em 1760, ingressou no noviciado da Província Franciscana da Imaculada Conceição, no Convento de São Boaventura do Macacu, na Capitania do Rio de Janeiro. Foi ordenado sacerdote no dia 11 de julho de 1762, sendo transferido para o Convento de São Francisco em São Paulo.

Em 1774, fundou o Recolhimento de Nossa Senhora da Conceição da Divina Providência, hoje Mosteiro da Imaculada Conceição da Luz, das Irmãs Concepcionistas da Imaculada Conceição. Cheio do espírito da caridade, não media sacrifícios para aliviar os sofrimentos alheios. Por isso o povo a ele recorria em suas necessidades. A caridade de Frei Galvão brilhou, sobretudo, como fundador do mosteiro da Luz, pelo carinho com que formou as religiosas e pelo que deixou nos estatutos do então recolhimento da Luz. São páginas que tratam da espiritualidade, mas em particular da caridade de como devem ser vivida a vida religiosa e tratadas as pessoas de dentro e de fora do “recolhimento”.

Às 10 horas do dia 23 de dezembro de 1822, no Mosteiro da Luz de São Paulo, havendo recebido todos os sacramentos, adormeceu santamente no Senhor, contando com seus quase 84 anos de idade. Foi sepultado na Capela-Mor da Igreja do Mosteiro da Luz, e sua sepultura ainda hoje continua sendo visitada pelos fiéis.

Sobre a lápide do sepulcro de Frei Galvão está escrito para eterna memória: “Aqui jaz Frei Antônio de Sant’Anna Galvão, ínclito fundador e reitor desta casa religiosa, que tendo sua alma sempre em suas mãos, placidamente faleceu no Senhor no dia 23 de dezembro do ano de 1822?.  (...)

O dia 25 de outubro, dia oficial do santo, foi estabelecido, na Liturgia, pelo saudoso Papa João Paulo II, na ocasião da beatificação de Frei Galvão em 1998 em Roma. Com a canonização do primeiro santo que nasceu, viveu e morreu no Brasil, a 11 de maio de 2007, o Papa Bento XVI manteve a data de 25 de outubro.

Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, rogai por nós!

Fonte : Canção Nova

 


CIÚME E INCOMPREENSÃO DESMEMBRAM A IGREJA, DIZ PAPA

 

                                                              

“Igreja, Corpo de Cristo” foi o tema da catequese do Papa Francisco, nesta quarta-feira, 22. O Santo Padre falou da comunhão e do amor que marcam uma comunidade de fé, ressaltando, porém, como o ciúme e a incompreensão causam divisões na Igreja.

O Papa definiu a Igreja como a “obra-prima do Espírito”, que infunde em cada um a vida nova do Ressuscitado e faz de todos um só corpo. Mas Igreja não é só um corpo edificado no Espírito Santo, mas sim o Corpo de Cristo; trata-se de um dom recebido no batismo, que tem como consequência uma profunda comunhão de amor.

Cristo ama a Igreja. É preciso corresponder a este amor e compartilhá-lo, disse o Papa. Ele explicou que as divisões, as invejas, as incompreensões e a marginalização não edificam a Igreja como Corpo de Cristo; pelo contrário, desmembram-na.

“Não ser ciumento, mas apreciar nas nossas comunidades os dons e as qualidades dos nossos irmãos. Pois sentir ciúme se alguém comprou um carro ou ganhou na loteria faz desmembrar o Corpo de Cristo. O ciúme cresce e enche o coração, e um coração ciumento é ácido, e em vez de sangue parece ter vinagre”. (...)

“Quantas pessoas se sentem superiores aos outros. Também nós dizemos como aquele fariseu da parábola: ‘Agradeço-lhe, Senhor, porque não sou como aquela pessoa, sou superior’. Jamais faça isso. Quando acontecer, lembre-se dos seus pecados, daqueles que ninguém conhece e se envergonhe diante de Deus e feche a boca”.

Francisco concluiu a catequese pedindo ao Espírito Santo que ajude os fiéis a viverem como Corpo de Cristo, unidos como família e como sinal visível e belo do amor de Cristo.

Fonte : Rádio Vaticano

 

PARA MEDITAR

                                                                                       

“É Nele que toda a construção se ajusta e se eleva para formar um templo santo no Senhor. E vós também sois integrados nesta construção, para vos tornardes morada de Deus pelo Espírito” (Ef 2,21).

 

 


 

Última atualização ( Qui, 23 de Outubro de 2014 14:29 )

 
Quem está on-line
Nós temos 5 visitantes online