Paróquia Rosa Mística

A Nossa Senhora Rosa Mística

rosa-mistica

Maria Rosa Mística Mãe Da Igreja

Queremos partilhar com nossos irmãos, pois muitos nos pedem informações a respeito da história de NOSSA SENHORA ROSA MÍSTICA, para assim acolher melhor essa devoção mariana. Apresentamos aqui uma suscita de mais uma chamada de Nossa Senhora à oração, a mais penitência e maior reparação. É mais um milagre mariano, depois do primeiro público que JESUS realizou em Caná da Galiléia, por intercessão de Sua Mãe Santíssima.

Não podemos deixar de nos sentirmos amados pelo PAI (Jô 3, 11) pelas provas com que nos tem cercado, além da salvação que nos deu por seu filho JESUS. E a MÃE que JESUS nos deu no golgota, no momento mais santo do mundo e que não nos esquece, nem nos abandona, protegendo-nos ainda mais nos tempos difíceis em que vivemos. Ela veio em muitos lugares: La Salette, Lourdes, Fátima, Montechiari, Fontanelle, Mejugorje, San Nicolas, Olivetto, Cintra e outros…

Tudo porque ela quer todos os homens a Deus. Em todas as suas palavras busca glória de seu Filho e a soberania do Santíssimo Sacramento do Altar quer milagres da transformação e da renovação nas almas e na Igreja. O relato que agora vamos partilhar é o das aparições de Maria Santíssima em Montechiari, diocese de Bréscia ao norte da Itália. A seu respeito a Igreja não deu ainda aprovação definitiva, porém, tem a seu favor seis bispos que defendem sua autenticidade, entre os quais o próprio Bispo Diocesano DOM JACINTO.

A PRIMEIRA APARIÇÃO

As aparições em Montechiari começam em 1947. Em uma pequena cidade localizada aos pés dos Alpes Italianos, na fértil terra cortada pelo Rio Pó. Numa pequena montanha estava a fortaleza de Maria, a Venerada Igreja de São Pancrácio. Pierina Gilli nasceu a 3 de agosto de 1911 e na ocasião exercia o oficio de enfermeira no lugar.

Na primavera de 1947 apareceu-lhe a belíssima Mãe de Deus numa sala do hospital, vestida com uma túnica roxa celestial, parecia triste e corriam lágrimas de seus olhos puríssimos, lágrimas que caíam até o chão. Seus lábios se abriram para dizer docemente “Oração – Penitência – Reparação” e ficou em silêncio. Essa foi A PRIMEIRA APARIÇÃO.

A SEGUNDA APARIÇÃO

No Domingo, 13 de junho de 1947, muito cedo no hospital apareceu novamente a Mãe de Deus, vestia-se de branco e no lugar das três espadas tinha três rosas uma branca, uma vermelha e outra amarelo-dourada.

Pierina lhe pediu, assombrada: “Por favor diga-me quem és”, com um sorriso a doce Senhora respondeu: “Sou a Mãe de Jesus e Mãe de todos vocês! Nosso Senhor me envia para implantar uma nova devoção mariana em todos os institutos tanto masculinos como femininos, e nas comunidades, congregações religiosas e entre todos os sacerdotes. Eu lhe prometo que se honrarem mais desta especial maneira gozarão particularmente de minha proteção, haverá um florescimento de vocações religiosas, menos deserções, apostasias e uma grande santidade de seus membros. Desejo que no dia 13 de cada mês seja consagrado como dia mariano e os doze anteriores sirvam de preparação, com orações especiais”.

Seu rosto iluminou-se com uma inefável alegria e continuou: “Nesse dia derramarei abundância de graças e santidade sobre aqueles que me tiverem honrado; desejo que o dia 13 de julho de cada ano seja dedicado à ROSA MÍSTICA”.

Pierina perguntou se não era necessário um milagre como prova das aparições e a Mãe de Deus respondeu: o milagre mais evidente consistirá em que as pessoas consagradas a Deus, cujos espíritos se deixam dominar pela mornidão, até o ponto de serem infiéis a sua devoção, e que com sua deslealdade provocaram os castigos e as perseguições, que sofre a Igreja atualmente, cessem de ofender gravemente o Senhor, fazendo o Espírito primitivo de seus santos fundadores. Depois explicou o significado das três espadas e das três rosas.

– A primeira espada significa: a perda culposa da vocação sacerdotal ou religiosa;
– A segunda espada: a vida em pecado mortal de pessoas consagradas a Deus;
– A terceira espada; a traição daquelas pessoas que, ao abandonarem sua vocação sacerdotal ou religiosa, perdem também a fé e se convertem em inimigos da Igreja;
– A rosa branca: simboliza o espírito de oração;
– A rosa vermelha: espírito de reparação e sacrifício;
– A rosa amarelo-dourada: espírito de penitência.

TERCEIRA APARIÇÃO (22/10/1947)

Foi na capela do hospital de Montechiari, durante a celebração eucarística, onde os presentes conheceram a presença de algo extraordinário, porém a Pierina pode vê-la e ouvi-la.

MARIA, ROSA MÍSTICA, pedia prática da devoção que já havia recomendado e acentuou: “Meu Divino Filho, cansado das incessantes ofensas, quer dar curso à sua justiça. Coloco-me qual medianeira entre os homens e em particular entre as almas dos religiosos e o meu Divino Filho”. A vidente agradeceu-lhe em nome de todos e ela respondeu: “VIVE O AMOR”.

A QUARTA APARIÇÃO (16/11/1947)

Sua mensagem na Igreja Paroquial de ofensas pode resumir-se nestas palavras: “pelas faltas de impureza suplico oração e penitência. Meu Divino Filho, o Nosso Senhor, está para enviar um dilúvio de castigos…” e depois prosseguiu: “intervim para implorar ainda misericórdia e em reparação, rogo oração e penitência. Suplico intimamente aos sacerdotes que se esforcem por combater as faltas contra a pureza. Eu encherei de graça os que repararem estes pecados”.

Pierina ousou perguntar: “seremos perdoados?”
A Rosa Mística respondeu: “Sim, contanto que deixem de cometê-los”.

A QUINTA APARIÇÃO (22/11/1947)

Pierina viu novamente a Virgem Santíssima na Igreja. Esta lhe ordenou que fizesse com a língua quatro pequenas cruzes sobre as lajes do pavimento, ao meio da catedral e embaixo da cúpula. Depois a celestial Senhora foi ao lugar e disse: “Eu desci a este lugar sagrado, onde acontecerão grandes coisas”.

Com ar de tristeza acentuou: “os cristãos de sua nação são os que neste tempo ofendem mais o meu Divino Filho, por isso o Senhor exige: oração, sacrificio e penitência”. Pierina perguntou: “O que devemos fazer para cumprir seus desejos de oração e penitência?” Resplandecente de bondade, disse: “Oração”. E depois continuou: “aceitai diariamente todas as pequenas cruzes e os trabalhos em sinal de penitência”. E, retomando a expressão de realeza, disse: “No dia 08 de dezembro pelo meio dia, voltarei aqui à Igreja e será a Hora da Graça”. A hora da Graça. Será um acontecimento de numerosas e grandes conversões.

Almas totalmente endurecidas no mal e frias como este mármore serão tocadas pela graça divina, tornando-se fiéis ao Senhor e apaixonadas por ELE.

Foi a única vez que a Senhora avisou Pierina de sua próxima vinda.

A SEXTA APARIÇÃO (07/12/1947)

Estavam como testemunhas só três pessoas, entre elas o confessor de Pierina, quando apareceu a senhora. Estava envolta num manto muito alvo, as pregas caíam graciosamente e um menino o sustinha à direita e uma menina à esquerda. Os dois, vestidos de branco. A mãe de Deus disse: “Amanhã mostrarei meu coração Imaculado, que os homens conhecem tão pouco e em Fátima desejei propagar a devoção da Consagração do coração Imaculado”.

Em Bonate (na região de Bergan, em 1940/1945 durante a guerra, procurei incultar essa devoção às famílias cristãs. Em Montechiari desejo implantar a devoção à Rosa Mística, unida à veneração do meu Coração Imaculado e desejo arraigá-la especialmente nos conventos e Institutos Religiosos, para que as almas consagradas a Deus obtenham aumento de graça do meu Coração Maternal.

Comunicou, depois, um segredo à Pierina, prometendo-lhe que ela mesma lhe indicaria quando deveria ser revelado, a respeito das crianças que a acompanhavam, explicou: são Jacinta e Francisco, que te farão companhia desde agora em tuas atribulações. Eles também tiveram que sofrer, apesar de serem pequenos. O que quero de ti é simplesmente a bondade, a semelhança destas crianças. Ao dizer estas palavras, a Virgem estendeu os braços em gesto de proteção à Terra, ergueu os olhos ao céu e exclamou: “O Senhor seja Louvado” e desapareceu.

A SÉTIMA APARIÇÃO (08/12/1947)

Aqui em Montichiari quero ser chamada “ROSA MÍSTICA”. Nesta festa mariana por excelência, escolhida para a aparição, milhares de pessoas vieram de todas as partes; Pierina Gilli conseguiu entrar com dificuldade e dirigir-se ao lugar central onde se deram as aparições anteriores, e começou a rezar o Rosário. De repente Pierina exclamou: “Oh! A Senhora!” Contemplou a Mãe de Deus na parte superior de uma escada branca que chegava à terra ladeada de rosas brancas, vermelhas e amarelas. À Virgem, sorrindo, disse: Eu sou a Imaculada Conceição, sou a Mãe da graça, Mãe do Divino Filho, Jesus Cristo. Quero que, ao meio dia de cada 08 de dezembro, seja celebrada a hora de ação de graças para todo o mundo; mediante esta devoção se alcançarão graças para a alma e para o corpo. Nosso Senhor, meu Divino Filho, concederá sua misericórdia, contando que os bons não deixam de orar pelos irmãos pecadores; é preciso informar rapidamente ao Supremo pastor da Igreja Católica, o Papa Pio XII, o meu desejo de que esta hora de graça seja conhecida e estendida por todo o mundo. Quem não puder ir à Igreja, que reze em sua casa ao meio-dia e obterá as minhas graças, e se alguém vier orar com lágrimas de arrependimento sobre estas lajes encontrará uma escada certa para ir ao céu, junto com a proteção do meu coração materno.

“Vede este coração que ama tanto os homens enquanto a maioria deles o injuria”. Se todos, bons e maus, se reunirem em oração, obterão deste coração misericórdia e Paz. Os bons acabam de obter, pela minha intercessão, a misericórdia do Senhor, que teve um grande castigo. Tenho preparado uma abundância de graças para todos os filhos que escutam minha voz e guardam os meus desejos”. Nesta ocasião a Rosa Mística confirmou também à Pierina, segredo que, posteriormente, deverá ser dado a conhecer à autoridade espiritual e a quem Ela própria o determinar.

Pierina passou vários anos em Bréscia, ajudando num convento de religiosas por ordem do Bispo Diocesano D. Jacinto Tredici e seu diretor espiritual foi Frei Carpin. A segunda etapa das maravilhosas aparições da Rosa Mística começou no ano de 1966 em fevereiro, e em oração, Pierina tornou a ver a Virgem. A Mãe de Deus lhe infundiu novo ânimo, a consolou com alegria e lhe prometeu aparecer em Fontanelle, um bairro de Montechiari onde se encontra uma fonte de água escondida numa gruta. É preciso descer uns dez degraus de pedra para chegar até à cova.

Assim Pierina ia rezando o terço no caminho, a pouca distância da gruta, quando na hora do Ângelus apareceu Maria, Mãe de Deus, e disse: “Meu Divino Filho é todo amor e manda dar um grande poder milagroso de cura a esta fonte. Em sinal de penitência e purificação beija de joelhos os degraus.” E depois deu instruções: “desejo que os doentes e todos os meus filhos venham aqui à fonte de graça”.

Em abril de 1969, dia 20, deu-se em Fontanelle, o sinal maravilhoso no céu. Este escureceu rapidamente à tarde, brilharam as estrelas, apareceu o sol, pequeno no inicio, mas aumentando, tornou-se vermelho de diferentes matizes e movia-se para a direita e esquerda, parecia que cairia sobre a terra. Colocou-se no centro de uma coroa de estrelas e em seguida partiu-se em dois e uma grande cruz se tornou visível. O sol se converteu numa roda de fogo que lançava chamas.

Isso se repetiu várias vezes. Assistiram esse sinal 19 pessoas. Sinais para que o homem se volte para Deus para que ame como Jesus ensinou no seu mandamento, e Nossa Senhora exorta a orar: “A oração é uma condição requerida por Deus”.

 

 

Sobre As Imagens Da Virgem Peregrina

“Onde quer que eu vá, levo as graças de Nosso Senhor comigo”. Ela prometeu em revelação a Pierina, que estará presente durante as orações à sua imagem e recomenda que se invoque de maneira especial o Arcanjo São Rafael. E diz ainda: “Eu mesma trago as graças do céu”.

São Rafael é o arcanjo de cura, do consolo e da proteção contra ataques de satanás.

No dia 8 de dezembro de 1947, Nossa Senhora apareceu na capela da Pierina, na hora da graça ( das 12 às 13 horas ). A capela estava cheia de peregrinos. Apareceu à vidente acompanhada de milhares de anjos. Os espíritos bem-aventurados lhe faziam a corte como Senhora e Rainha e não só na igreja, mas também fora, formavam um caminho luminoso de incrível beleza até o céu o louvavam jubilosos a Deus. A aparição demorou quase vinte minutos.

Nossa Senhora disse que abençoará os conventos, as casa e seus habitantes que a receberam com alegria e amor, e estará muito perto deles de maneira especial na hora da morte, com a graça de Deus e seu amor maternal.

Tudo quanto se sacrifica, consagra e se repara diante da Virgem-Peregrina é admirável e comovedor e por isso as suas peregrinações se convertem em caminhos triunfais.

 

One comment on “A Nossa Senhora Rosa Mística

  1. existem espacos, sem atenco, virgula, espacos da lingua, mal falada como o amor de todos os dias. assim foi e sera por longos anos, porque onde corre a palavra, escreve uma mao solidaria, estrangeira e negra de si propria. o chapa100 e isso. essa corrida que vuna e gunga, que arranha e se fez gigante nesta corrida pela paragem, pelo cobrador que rouba-nos o silencio do bolso, do motorista poeta de mabuzina. la famba bicha, wena pa mozambique.

Deixe uma resposta para Hina Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>