Paróquia Rosa Mística

Blog

A busca da felicidade

O escritor  Albert Camus afirma: “Quando procuro o que há de fundamental em mim, é o gosto da felicidade que eu encontro”.

De fato se observarmos a humanidade em geral, e a cada um de nós em particular, percebemos que a busca da felicidade é um anseio inato, uma procura que envolve todo o nosso viver.

“Eu também quero ser feliz!”, exclamamos muitas vezes.

Mas quais são os meios para alcançar esta felicidade, que é sonho, ideal e meta de nossa vida?

Este tempo de Quaresma e Páscoa nos ajuda a refletir. Sabemos que neste mundo não existe felicidade completa. A nossa vida é pontilhada de alegrias e tristezas, lutas e vitórias, fracassos e realizações. Mas pela fé, esperança e amor vamos caminhando  construindo felicidade.

Uma coisa é certa: o próprio Deus nos quer alegres, sorridentes, pacificados, irradiando entusiasmo, paz, perdão, transmitindo simpatia, cantando felicidade.

Jesus nos apresenta no Evangelho uma proposta de felicidade, que é uma conquista diária de quem semeia a paz, promove a justiça, é misericordioso e puro de coração (Mt 5, 1-16).

Você certamente já experimentou momentos maravilhosos de uma felicidade interior que nenhum ouro do mundo é capaz de comprar. Aquele gesto de bondade e carinho, uma vitória importante na vida, a celebração de um aniversário, a realização de um Amor Verdadeiro no casamento, a alegria dos filhos, a participação na Igreja e na Sociedade vão dando sentido e sabor… de felicidade… ao viver.

Felizes somos nós cristãos que vivemos o que Jesus nos ensinou. Há maior alegria em doar-se, em ser generosos, caridosos do que em querer tudo só para nós.

A felicidade nunca é um gozo meramente individualista, ou pior ainda egoísta.

A Páscoa de Jesus e nossa é a garantia de felicidade já aqui na terra e para sempre na eternidade, no céu.  Mas é preciso conquistá-la.

Pe. João de Bona Filho –  Pároco

Ser católico hoje

Ser católico hoje, no Brasil, é uma questão de opção consciente. Acabou-se o tempo em que “todo mundo era católico”, ao menos por tradição.

A realidade mudou muito nos últimos anos. As igrejas eletrônicas, os pequenos, ou grandes templos das diversas denominações se multiplicaram como grama em época de chuva.

Na mesma família “católica”, agora cada um segue a sua religião ou crença: evangélica, espírita, universal, etc.

Muitos trocam para experimentar ou porque encontraram “soluções” para seus problemas morais como por exemplo, bebida, drogas, vícios, ou financeiros, desemprego, falta de moradia, etc.

Não cabe aqui uma análise mais detalhada deste gigantesco fenômeno religioso, esta multiplicação de igrejas, este mercado que gera lucros enormes a quem sabe com “esperteza e competência” explorar a boa e ingênua fé do povo brasileiro.

Cabe a nós que queremos ser bons católicos um sério exame de consciência. Você está sendo capaz de vivenciar e transmitir a religião católica, verdadeira, alegre e exigente? Tem praticado os mandamentos da Lei de Deus e da Igreja? Tem dado exemplo de vida honesta, correta na família e sociedade?

E a missa dominical? Tem participado? Ela tem alimentado sua vida espiritual para produzir bons frutos no decorrer da semana? Sua família vive no amor verdadeiro, fiel e responsável? Há dialogo entre pais e filhos? E tem praticado a caridade?

E, apesar da correria da vida, dos compromissos, trabalho, estudo dos filhos, tem conseguido reservar um tempinho – mesmo breve – durante a semana para ler e meditar a bíblia, rezar o terço ou fazer alguns minutos de oração pessoal?

E ainda consegue ler algum bom livro católico, o catecismo ou alguma revista cristã?

Enfim, vale a pena.

Sim, vale a pena ser um católico consciente e comprometido. Um católico que sabe manter as boas tradições, costumes, e ao mesmo tempo é capaz de adaptar-se às novas situações e realidades da Igreja e do mundo.

A Paróquia Nossa Senhora Rosa Mística oferece boas condições para vivenciar o nosso catolicismo. E ainda precisa de sua colaboração nas diversas pastorais, movimentos e serviços e diversas obras de caridade que realizamos. E podemos repetir com sinceridade: eu sou um católico feliz, atualizado e participante.

Pe. João de Bona Filho – Pároco

Quaresma e Campanha da Fraternidade

A quaresma é um período de 40 dias que nos prepara para a Semana Santa e Páscoa.

É um tempo litúrgico forte e exigente para nós católicos. Somos convocados para a Oração, Jejum e Esmola, já na quarta-feira de cinzas, início da quaresma.

Pela Oração comunicamos com Deus e vamos orientando nossa vida pelos mandamentos e Evangelho de Jesus. Pelo jejum “dominamos” nossos instintos, sobretudo a gula, a ganância, tornando o nosso corpo mais saudável e resistente às tentações e aos vícios. Pela esmola, ou melhor caridade, ajudamos os que sofrem pela falta de pão, moradia, trabalho.

Durante a quaresma, a Igreja católica no Brasil, nos convoca para a Campanha da Fraternidade, alertando para um problema ou situação injusta de nossa amada e maltratada pátria.

Neste Ano a CF 2018 nos alerta para a situação de violência que assola o nosso país. E que nos atinge em todos os momentos e lugares. Com o tema: ” Fraternidade e superação da violência” e o lema ” Em Cristo somos todos irmãos” (Mt 23,8) somos desafiados a semear paz, perdão e combater as causas da violência, começando em nossa casa.

Todos nós vivenciamos a violência, começando, infelizmente, até em nossas casas. A raiva, a ira, emoções e atitudes sem controle ou medida, podem nos levar a semear violência. Assim também no trânsito, nas relações sociais, nos preconceitos e até em situações estruturais do país e mundo.

A Campanha da Fraternidade, fundamentada na Palavra de Deus nos propõe atitudes não violentas que possam nortear e transformar nossas vidas e a sociedade.

Vamos vivenciar com muita fé, esperança e caridade a quaresma para celebrarmos com muita alegria, paz, fraternidade a Páscoa que se aproxima, pois em Cristo somos todos irmãos.

Pe. João de Bona Filho – Pároco

Natal – Ainda nos resta uma esperança

É muito animador para nós cristãos, católicos, celebrar o Natal – o nascimento do Menino Deus, Jesus. É tempo de reavivarmos nossa esperança em Deus que conduz a história humana.

Face aos últimos acontecimentos, diante da barbárie humana que nos aterroriza e da insensatez da vingança que leva à guerra que mata milhares e até milhões de inocentes, temos a terrível sensação de que o mundo não tem mais jeito. Parece que tudo está perdido!

Os catastróficos de plantão anunciam “o fim do mundo”. Nós,  porém, cremos que Deus é o Senhor da História. Ele a conduz por caminhos misteriosos, muitas vezes insondáveis, para um “final feliz”.

O Natal de Jesus, celebrado cada ano com tanto encanto, alegria e espírito de família, nos renova na esperança. Deus não nos abandona.

O sorriso de uma criança é um sinal de que o mundo ainda pode ter paz, fraternidade, justiça. O planeta terra-água pode tornar-se um lar acolhedor, um “paraíso” para todos os seres humanos.

Somos otimistas, embora não cegos, diante do mal, do pecado, dos ídolos que desviam o ser humano do caminho da autêntica felicidade.

Ainda resta uma esperança. Ela não decepciona, pois se fundamenta no próprio Deus, que enviou o seu filho Jesus, não para condenar o mundo, mas para salvá-lo.

Que o NATAL de Jesus seja para nós, cristãos, a celebração do amor mais genuíno, da fé mais forte e da esperança renovadora. Que nos faça cantar com os anjos de Belém!

Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados.

Feliz e Santo Natal para todos e um Ano Novo realmente promissor!

Pe. João de Bona Filho  –  Pároco

Agradecimento pelas doações – Vicentinos

Partindo da revelação cristã podemos afirmar que Deus é amor (1 JO: 4-8). N’Ele e por ele está a razão de sermos e amarmos.

Que as famílias cristãs, animadas pelo amor e caridade, sejam felizes e se tornem verdadeiros os sinais luminosos do AMOR DE DEUS no mundo.

Os Vicentinos agradecem e louvam pelas doações de presentes recebidos da COMUNIDADE para a FESTA DE NATAL das crianças, filhos de assistidos da CASA DE CARIDADE NOSSA SENHORA ROSA MÍSTICA. Comunidade esta cheia de pessoas muito caridosas na medida em que solicitamos.

Que Deus abençoe e derrame bençãos sob bençãos!

Todos que doaram fizeram muitas crianças felizes!

O sábado/domingo do dízimo/dizimista

No segundo final de semana de cada mês a Paróquia Nossa Senhora Rosa Mística, celebra a Partilha, mais conhecida por todos como Sábado/Domingo do Dízimo/Dizimista.

Inicialmente denominado Domingo do Arquidizimo, somente a partir de 2016, passou a denominar-se Sábado/Domingo do Dízimo/Dizimista.

O dízimo se traduz na gratidão a Deus por seus inúmeros favores. Compreende, na prática, três dimensões: religiosa, social e missionária.

O objetivo de todos os paroquianos, quanto ao Dizimo, é poder tornar realidade essas dimensões em eficácia pastoral, espiritual e solidária. O Sábado/Domingo do Dízimo/Dizimista traz um convite, um estímulo em nosso dever de cristão comprometido com a evangelização.

Quem ama partilha. Amando a Jesus e a sua Igreja, queremos ser dizimistas, a fim de que cresçam nossos gestos de solidariedade cristã, sendo “discípulos e missionários de Jesus Cristo,” para que n’Ele tenhamos vida.

Assim, a celebração do Dízimo – Partilha Eclesial – é um convite à reflexão, ao compromisso e à partilha. Para que ela seja frutuosa, a ajuda e a compreensão de todos é de fundamental importância.

Hora da Graça – 2017

No último dia 8 de dezembro, às 12h, ocorreu a já tradicional Hora da Graça na Paróquia Nossa Senhora Rosa Mística.

Nossa bonita e confortável igreja esteve repleta de fiéis, cheios de fé, devoção e profunda espiritualidade para receberem muitas graças e bençãos espirituais e materiais. Foi uma hora inteira de orações, ações de graças, súplicas e muita emoção com o Santíssimo Sacramento.

Todos os corações que estiveram presentes saíram cheios de bençãos, felizes e renovados na fé com esse momento de profunda oração!

Confira alguns momentos.

Não esqueçam o aniversariante!

Aproxima-se o dia de NATAL em que celebramos o nascimento de Jesus, o Filho de Deus, feito homem.

A história humana está definitivamente marcada pela vinda do Emanuel, o Deus Conosco, o Messias esperado por gerações, durante séculos.

Nós cristãos, por tradição antiquíssima, celebramos o Natal no dia 25 de dezembro. Este acontecimento singular deve ser comemorado com espírito realmente cristão.

Corremos o perigo de fazer a festa e esquecer…o aniversariante: JESUS !

As compras, os presentes, a correria de fim de ano, o aspecto comercial podem nos desviar do autêntico espírito Natalino.

Sem dúvida a festa exterior, os presentes, a ceia em família podem ser significativos e maravilhosos se ” o coração” estiver realmente preparado para acolher Jesus.

Para isto é indispensável uma boa preparação espiritual, através das novenas de Natal em família ou grupos, a participação nas missas dominicais na paróquia, enfim a vivência do tempo litúrgico do Advento.

Uma boa confissão sacramental que seja de fato um “super banho espiritual”, alguma obra de caridade, oração em família nos preparam para vivenciarmos o autêntico espírito natalino.

Termino com as palavras sempre cheias de entusiasmo e otimismo da mensagem de NATAL de São Luís Orione.

“A bondade sempre é vencedora. Ela tem sua entrada também nos corações mais frios e mais distantes. O amor vence o ódio, a luz vence as trevas, o bem vence o mal. Todo o ódio do mundo, toda a perversidade e todas as tramas das trevas, que são, afinal, em comparação da luz e da bondade do Natal”.

Pe. João de Bona Filho – Pároco

Sonhar é Preciso

25-10-LINK

       Sim, é preciso sonhar, nos lembra o poeta.

Hoje, mais do que nunca, necessitamos alimentar sonhos pessoais e “globais”. De fato, percebemos nuvens sombrias nos horizontes da vida humana e no nosso planeta terra-água.

Estamos assustados diante da maldade humana que vai crescendo como uma bola de neve avassaladora. Violência, crime organizado, fome, pornografia, corrupção, desemprego, doenças, fanatismo religioso, drogas, guerras.

Em muitas regiões do mundo, em vez de um jardim ou pomar, a mãe-terra está se tornando um deserto, sem o verde das matas e as fontes límpidas das águas.

No nosso pequeno mundo, também percebemos, de forma assustadora, as consequências do mal, do pecado que tanto domina as pessoas; famílias desunidas, casamentos fracassados, filhos drogados.

Até a religião, às vezes, entra no jogo sujo do mercado. Igrejas e seitas florescem, proporcionando grandes lucros aos aproveitadores da ” boa e ingênua fé dos brasileiros”

Os sonhos não são ilusões, quimeras, miragens. Ao contrário são ideais, forças dinâmicas que impulsionam as pessoas, comunidades, nações e até o mundo inteiro.

É possível e necessário sonhar.

Martin Luther King – líder negro americano, na década de 60 proclamou – em famoso discurso – I HAVE A DREAM! (eu tenho um sonho!) de acabar  om o racismo. Ele foi assassinado – nas o sonho realizou-se. Dom Helder Câmara dizia: “É preciso esperar contra toda esperança”. No deserto brotam oásis, do lodo, belos lótus. Sonhar é preciso.

Jesus Cristo, Filho de Deus, vindo ao mundo, sonhava com o Reino de Deus. Anunciava um novo mundo, e o ia realizando.

Nós também, em nosso pequeno mundo, continuamos a sonhar. Casa própria, filhos bem educados, religião bem vivida, emprego, dinheiro, saúde e felicidade.

Quem não busca isto?

Aqui em Goiânia, na Paróquia Nossa Senhora Rosa Mística, inspirados em Jesus, Nossa Senhora, São Luis Orione e outros Santos e pessoas valorosas, continuamos realizando muitos sonhos, especialmente nas muitas pastorais e serviços que se traduzem em caridade.

E sonhando juntos, em comunidade, quanto já conseguimos e vamos realizar ainda mais.  AVE MARIA E AVANTE!

 

        Pe. JOÃO DE BONA FILHO  –  PÁROCO –

 

A FAMÍLIA, UMA LUZ PARA A VIDA EM SOCIEDADE

POST-09Em agosto celebraremos a SEMANA NACIONAL DA FAMÍLIA , iniciando com o dia dos pais. Em abril de 2016 o Papa Francisco publicou uma bonita e exigente exortação após o sínodo sobre a família, intitulada Amoris Laetitia – a alegria do Amor.

A Alegria do Amor, proposta pelo Papa Francisco, é um remédio vigoroso para as Famílias e para o mundo, acostumado a associar Família com “problemas”, “crises”, “conflitos”, “traição”. Famílias não são problemas, disse o Papa. “São a melhor herança que podemos deixar ao mundo”.

A Igreja tem levado a sério a inspiração do Papa Francisco e a importância que ele deu à Família ao colocar em discussão os grandes desafios do mundo atual, e ao convocar todos os cristãos a um trabalho paciente, perseverante e misericordioso de acolher cada família em seu contexto de vida, com suas luzes e sombras.

É preciso integrar as famílias, mesmo aquelas fragilizadas, irregulares ou afastadas, na grande Família do povo de Deus, a Igreja. A família é o remédio, a “escola da humanidade” que o mundo precisa. É ela que nos ensina a ser “pessoas”, a acolher e proteger a vida, perdoar e refazer caminhos. A Família é luz para a sociedade e para o mundo. É a alegria que pode transformar o futuro da humanidade. Não podemos nos omitir em anunciar essa esperança.

Agradeça a Deus, todos os dias, pela sua família. Faça todo o possível para que ela seja mais semelhante à Família de Nazaré.

Pe. João de Bona Filho – Pároco

Participe da nossa programação desta semana, todos os dias na missa das 19h:

POST-092