Paróquia Rosa Mística

Blog

Sacramento da penitência e da reconciliação

O sacramento da Penitência, ou Reconciliação, ou Confissão, é instituído por Jesus Cristo para apagar os nossos pecados, cometidos após nosso Batismo. É o sacramento da cura espiritual, chamado também sacramento da conversão porque realiza, sacramentalmente, nosso retorno aos braços do Pai depois que nos afastamos com o pecado. É o sacramento da graça de Deus em nossa vida.

No sacramento da Reconciliação, somos convidados a reorientar nossa vida para Deus, de todo coração, a romper com o pecado e mudar de vida. A conversão é obra da graça porque Deus chega antes em nosso coração e nos dá força para começar de novo, o Espírito Santo nos dá a graça do arrependimento e da conversão.

O Papa João Paulo II passou os últimos anos da sua vida pedindo que os católicos pudessem retornar à confissão, inclusive através da Encíclica Ecclesia de Eucharistia: “Sinto a necessidade premente de exortá-los, como fiz no passado, a redescobrir para si mesmos e ajudar os outros a redescobrirem a beleza do sacramento da reconciliação”.

O Papa Francisco, em seu livro O nome de Deus é Misericórdia, afirma que vivemos um tempo oportuno para o retorno à Confissão porque hoje se vive um duplo drama: “perdeu-se o sentido do pecado, e ele é considerado também incurável, imperdoável”. Por isto, a humanidade ferida por tantas “doenças sociais” como pobreza, exclusão, escravidão, relativismo, tem necessidade de misericórdia Deus, que permanece sempre fiel, mesmo que o pecador o renegue.

É preciso voltarmos à confissão, pois o pecado impõe um fardo às nossas costas, é uma violação da finalidade proposta por Deus ao nosso próprio ser.

A rompermos com o pecado, iniciamos um processo de redefinição do nosso ser, a partir da graça de Deus em nós, criando novos hábitos de virtude. “Deus está determinado a libertar os seus filhos da escravidão e conduzi-los à liberdade”, disse o papa Bento XVI. “E a escravidão pior e mais profunda é a do pecado”.

O Papa Francisco recorda que “no diálogo com o confessor é necessário ser ouvidos, não interrogados”. Neste sentido, o sacerdote deve aconselhar com delicadeza. Mas para obter a misericórdia de Deus é importante reconhecer-se pecador, porque “o coração em pedaços é uma oferta agradável ao Senhor, é o sinal de que estamos conscientes de nossa necessidade de perdão, de misericórdia”.

A confissão ajuda a nos conhecer, nos obriga a olhar para as nossas vidas objetivamente. Ensina-nos a separar os verdadeiros pecados dos sentimentos ruins e a nos vermos como realmente somos. O papa Bento XVI afirmou: “A confissão nos ajuda a ter uma consciência mais alerta, mais aberta e, portanto, também nos ajuda a amadurecer espiritualmente e como pessoas humanas”.

E para aqueles que afirmam que na Igreja existe muita misericórdia, o Papa Francisco responde, sublinhando que a Igreja condena o pecado, mas ao mesmo tempo abraça o pecador que se reconhece como tal, fala a ele da misericórdia de Deus. É necessário perdoar setenta vezes sete, isto é, sempre, porque “Deus é um pai cuidadoso, atento, pronto em acolher qualquer pessoa que dê um passo ou que tenha o desejo de dar um passo” em direção a ele, e “nenhum pecado humano, por mais grave que seja, pode prevalecer sobre a misericórdia e limitá-la”. A Igreja, portanto, “não está no mundo para condenar, mas para permitir o encontro com aquele amor visceral que é a misericórdia de Deus”.

Deus manifesta seu amor infinito por meio da compaixão e misericórdia; a primeira tem um rosto mais humano. A segunda, por sua vez, é divina. De fato, Jesus não olha à realidade a partir do exterior, como se tirasse uma fotografia, mas deixa-se envolver. Hoje existe necessidade desta compaixão para que, com ela, se possa vencer a indiferença do mundo atual.

A confissão é um encontro pessoal com Cristo, e é Ele quem nos cura e nos perdoa através do ministério do sacerdote. Por isso, temos um encontro pessoal com Cristo no confessionário.

Assim, os efeitos do sacramento da Penitência são a reconciliação com Deus e com a Igreja, a recuperação da graça santificante, o aumento das forças espirituais para caminhar para a perfeição, a paz e a serenidade da consciência com uma viva consolação do Espírito.

Quem tem dificuldades para confessar-se deve considerar que o sacramento da Penitência é um dom maravilhoso que o Senhor nos deu. No tribunal da Penitência, o culpado, se arrependido, jamais é condenado, mas sempre absolvido, pois quem se confessa não se encontra com um simples homem, mas com  Jesus, o qual, presente em seu ministro (sacerdote), como fez um tempo com o leproso do Evangelho, também hoje nos toca ou nos cura; e, como fez com a menina que jazia morta nos toma pela mão repetindo aquelas palavras: “Talita kumi, menina,  eu te digo, levante-te!”. “Vai-te e não peques mais”, com essa expressão Jesus despede a pecadora que não foi condenada, e nos apresenta o grande amor do Senhor, compaixão e perdão para com os pecadores.

O Papa Francisco no seu livro O nome de Deus é misericórdia, afirma que “A Igreja não está no mundo para condenar, mas para promover o encontro com aquele amor visceral que é a misericórdia de Deus. Para que isso aconteça, é necessário sair. Sair das igrejas e das paróquias, sair e ir à procura das pessoas por onde elas se encontram, onde sofrem, onde esperam”. Saiamos ao encontro das pessoas, mostremos a importância desse rico sacramento. Saiam da sua realidade de conforto e pecado e procurem na, confissão, a santificante Graça de Deus.

COMUNICADO MISSAS PRESENCIAIS – Celebração Eucarística Domingo, dia 26/04 às 10h, 17 e 20h.

BANNER-COMUNICADO-MISSAS-PRESENCIAISComunicado

 

Queridos irmãos e irmãs,

 

A Paróquia Nossa Senhora Rosa Mística, em sintonia com as orientações de nossas autoridades eclesiásticas, civis e sanitárias, informa:

 

  • Celebração Eucarística, no Domingo, dia do Senhor, com presença restrita de fiéis nos seguintes horários: 10h, 17h e 20h;

 

  • Atendendo as determinações quanto ao distanciamento mínimo entre pessoas (2 metros), serão disponibilizados 200 lugares.

 

  • Para participar é necessário agendar ligando na secretaria da Paróquia (3285-5720) até as 18h do sábado dia 25/04. Para os próximos domingos as inscrições acontecerão até às 12h do sábado. Alcançado o limite de pessoas por missa será disponibilizado o horário que ainda tenha vagas.

 

  • Transmissão pelas redes sociais da Santa Missa das 10h;

 

  • Crianças menores de 12 anos, os fiéis com mais de 60 anos e aqueles que são de grupos de risco ou que sintam que possam colocar outros fiéis em risco de saúde por sua presença numa celebração, permaneçam em oração em suas casas e continuam dispensados do cumprimento do preceito dominical neste período(cân.1246-1248 §2);

 

  • Será medida a temperatura individual de cada fiel, com termômetro infravermelho e aqueles que apresentarem quadro febril não poderão participar da celebração;

 

  • Os fiéis inscritos deverão chegar à Igreja com 30 minutos de antecedência para os procedimentos de verificação de temperatura e higienização. 
  • Evitar aglomerações na entrada e contato físico (abraços e cumprimentos);

 

  • As máscaras serão de uso obrigatório;

 

  • Serão disponibilizados álcool em gel 70% para a higienização das mãos e solução de água sanitária de 1% para a limpeza dos calçados;

 

  • Antes da distribuição da Sagrada Comunhão, recomendamos aos fiéis, ministros e sacerdotes que higienizem as mãos. A Comunhão seja recebida unicamente nas mãos. Continua suspensa a comunhão sob as duas espécies;

 

 

Orientações expediente paroquial

 

  • A secretaria paroquial permanecerá aberta de segunda a sexta-feira no horário das 9h às 12h e de 13h às 16h e no sábado de 9h às 12h;

 

  • Durante a semana, o atendimento das confissões acontecerá das 10h às 11h e das 14h às 16h. Os atendimentos acontecerão mediante agendamento;

 

  • Todas as reuniões de pastorais, formações e demais eventos em nossa paróquia continuarão suspensos;

 

  • As celebrações dos sacramentos do batismo e do matrimônio sejam transferidas para um tempo oportuno. Em relação ao matrimônio, não sendo possível a transferência do mesmo, que seja celebrado com 150 pessoas no máximo.

 

Pedimos a compreensão de todos. Sabemos que a violação destas exigências pode acarretar sérias penas por parte de nossas autoridades. Continuemos unidos espiritualmente, promovendo pelas redes sociais alguns momentos de oração em comum. Que Deus abençoe as famílias de cada um de vocês e, em particular, a nossa paróquia.

Pe. Eduardo Seccatto Caliman

Pároco

27 DE NOVEMBRO, DIA DE DOAR!

O Dia de Doar é uma grande campanha para promover a cultura de doação no Brasil e no mundo.🌎

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Hoje, dia 27 de novembro, o Brasil inteiro vai se mobilizar pelo #diadedoar: milhares de organizações estarão preparadas para receber doações, e milhões de brasileiros vão demonstrar seu apoio! 🤲🏼
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A origem deste dia se deu nos Estados Unidos, em 2012, como o nome de #GivingTuesday, que significa “terça-feira da doação”. Realizado sempre na primeira terça-feira depois do Dia de Ação de Graças (o Thanksgiving Day).
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Vamos juntos fazer o bem! Não fique de fora dessa! A Creche Anjo da Guarda já está arrecadando doações para o Bazar Beneficente e você pode ajudar!

58d0bcb2-0f52-4732-ad43-816f6e0d20a7
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
📌O que vc pode doar:
-roupas
-calçados
-acessórios
-brinquedos
-móveis
-eletrodomésticos
-utensílios para casa
-enxovais
-e muito mais!
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
🏠Suas doações podem ser deixadas na Secretaria da Paróquia Nossa Senhora Rosa Mística ou na Creche Anjo da Guarda-Obra Dom Orione.

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Todo dia é dia de doar. Mas uma vez por ano é dia de celebrar a doação. Quem tem coração doa, quem doa transforma.❤

 

864b233b-21c5-4ece-9d10-e80df3720c9c

FAMÍLIA  SONHOS E REALIDADE

 

Family-Dreams-01

A exortação Apostólica pós-sinodal  Amoris Laetitia do Papa Francisco inicia com o júbilo da Igreja pela Alegria do Amor que se vive nas famílias. E esta é uma boa notícia.

O desejo de família permanece vivo nas jovens gerações, observa Francisco, apesar dos numerosos sinais de crise no matrimônio.

Família ideal, perfeita, não existe. Entre os sonhos de amor, felicidade e realização do ser humano no casamento insere-se a fraqueza humana, o pecado.

Francisco apresenta o plano maravilhoso de Deus para a família à luz da Palavra , especialmente de Jesus, mas mostra também a realidade e os desafios

O ideal a proposta para as famílias cristãs é exigente.”que as estimule a apreciar os dons do matrimônio e da família e a manter um amor forte e cheio de valores como a generosidade, o compromisso, a fidelidade e a paciência”. Por outro lado o Papa ao apresentar a doutrina da Igreja, iniciando pela Sagrada Escritura e os documentos do magistério,  convida a “manter os pés no chão” ou seja considerar a situação atual das famílias.

Todo ser humano só existe a partir de uma família. Daí a sua importância, valor e responsabilidade. Em nossa fé cristã católica podemos perceber o maravilhoso plano de Deus. Até o próprio Filho de Deus para se encarnar precisou de uma família. Afirma o Papa; ” A Encarnação do Verbo em uma família humana, em Nazaré, comove com a sua novidade a história humana”.E mais ainda serve de exemplo e modelo para toda família, mesmo considerando as enormes diferenças de época, situação social e religiosa. ” A aliança de amoiur e fidelidade, da qual vive a Sagrada Família de Nazaré, ilumina o princípio que dá forma a cada família, tornando-a capaz de enfrentar melhor as vicissitudes da vida e da história. Sobre este fundamento, cada família, não obstante a sua fragilidade, pode tornar-se uma luz na escuridão do mundo” (n.66)

Jesus com suas palavras e ações restaura o plano maravilhoso do próprio Deus para a família, chamada a ser imagem da Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo vivem a plenitude do amor, comunhão de pessoas, no respeito à diversidade.

Assim cada família humana é desafiada a realizar o “sonho” de viver a aliança matrimonial, na fidelidade. A geração responsável e a educação dos filhos para a vida, para a vivência de valores humanos e cristãos exige sacrifícios.

A procura de uma felicidade verdadeira, não aquela baseada apenas nos bens materiais e prazeres, mas fundamentada em Deus, num amor verdadeiro, incluindo os prazeres sexuais e alegrias saudáveis, deve constituir o “sonho” de cada família.

Mesmo diante de realidades tão difíceis, dolorosas e problemáticas, com a Graça de Deus e o esforço de pais e filhos, é possível construir uma bela família, mais semelhante à de Nazaré. 

Casa de Caridade Nossa Senhora Rosa Mística em ação

Na manhã do dia 14/04, como ocorre todos os sábados de cada mês na Casa de Caridade Nossa Senhora Rosa Mística, situada em Aparecida de Goiânia, Setor Independência Mansões, entidade mantida por nossa Paróquia e administrada pela Conferência Vicentina, foi proferida palestra aos assistidos pela Casa de Caridade, abordando tema religioso e espiritual, desta vez, levando informações aos nossos irmãos mais carentes sobre a temática da Campanha da Fraternidade 2018, ” Fraternidade e Superação da Violência”, tendo como lema ” Em Cristo Somos Todos Irmãos (Mt 23-8)”.

A palestra, que agradou em cheio aos nossos assistidos, foi proferida pela catequista Isabel Cristina Siqueira, da Pastoral da Catequese de nossa igreja e além de contar com a presença de diversos irmãos vicentinos que ali prestigiavam aquele evento, teve a honrosa presença de nosso Pároco Padre João de Bona.

img1

Padre João de Bona, além de participar e complementar a referida palestra, aproveitou a ocasião para visitar as instalações da Casa de Caridade, assim como presenciar atendimento odontológico que se fazia naquele instante a filho de assistido, sob os cuidados da Doutora Ronise Ribeiro, paroquiana que presta serviço voluntário como Odontóloga e ainda transmite ensinamentos de serviços auxiliares de atendimento de odontologia a voluntários, filhos de assistidos, que ora atuavam como assistentes naquele sábado.

img2

Considerando que o dia 14/04, era o segundo sábado do mês, nesse dia ocorreu também a distribuição da partilha na Casa de Caridade, mediante doação e entrega  de cestas básicas às família.

Para se manter a dinâmica da Casa de Caridade e toda a gama diversa de serviços que ali são prestados aos nossos irmãos menos favorecidos, temos muito que agradecer a todos os nossos benfeitores e paroquianos, em especial aos Dizimistas de nossa  igreja, visto que parcela daquilo que é devolvido através do Dízimo e Oferta de nossos irmãos paroquianos é revertida para aplicação na Casa de Caridade.

Aproveitamos a ocasião, para agradecer também aos palestrantes que nos apoiam nessa grande empreitada de levar informações aos nossos assistidos, e neste momento em especial à catequista Isabel Cristina Siqueira, em nome de todos os palestrantes. Também agradecemos à Equipe de Voluntários Médicos e Odontólogos e às suas Equipes de Auxiliares, que levam seus serviços generosos aos familiares de assistidos através de nossa Casa de Caridade. E em especial, muito especial  ao nosso Pároco João de Bona, que Deus na sua infinita misericórdia e bondade, continue a lhe iluminar nessa grande missão à frente de nossa Paróquia.

Queremos também neste momento, aproveitar o ensejo para lhe convidar caro paroquiano, para visitar nossa Casa de Caridade e lá conhecer os trabalhos que ali se desenvolvem e, quem sabe, se agregar aos vicentinos de nossa paróquia nessa grande missão de caridade aos nossos irmãos mais carentes e mais necessitados.

A busca da felicidade

O escritor  Albert Camus afirma: “Quando procuro o que há de fundamental em mim, é o gosto da felicidade que eu encontro”.

De fato se observarmos a humanidade em geral, e a cada um de nós em particular, percebemos que a busca da felicidade é um anseio inato, uma procura que envolve todo o nosso viver.

“Eu também quero ser feliz!”, exclamamos muitas vezes.

Mas quais são os meios para alcançar esta felicidade, que é sonho, ideal e meta de nossa vida?

Este tempo de Quaresma e Páscoa nos ajuda a refletir. Sabemos que neste mundo não existe felicidade completa. A nossa vida é pontilhada de alegrias e tristezas, lutas e vitórias, fracassos e realizações. Mas pela fé, esperança e amor vamos caminhando  construindo felicidade.

Uma coisa é certa: o próprio Deus nos quer alegres, sorridentes, pacificados, irradiando entusiasmo, paz, perdão, transmitindo simpatia, cantando felicidade.

Jesus nos apresenta no Evangelho uma proposta de felicidade, que é uma conquista diária de quem semeia a paz, promove a justiça, é misericordioso e puro de coração (Mt 5, 1-16).

Você certamente já experimentou momentos maravilhosos de uma felicidade interior que nenhum ouro do mundo é capaz de comprar. Aquele gesto de bondade e carinho, uma vitória importante na vida, a celebração de um aniversário, a realização de um Amor Verdadeiro no casamento, a alegria dos filhos, a participação na Igreja e na Sociedade vão dando sentido e sabor… de felicidade… ao viver.

Felizes somos nós cristãos que vivemos o que Jesus nos ensinou. Há maior alegria em doar-se, em ser generosos, caridosos do que em querer tudo só para nós.

A felicidade nunca é um gozo meramente individualista, ou pior ainda egoísta.

A Páscoa de Jesus e nossa é a garantia de felicidade já aqui na terra e para sempre na eternidade, no céu.  Mas é preciso conquistá-la.

Pe. João de Bona Filho –  Pároco

Ser católico hoje

Ser católico hoje, no Brasil, é uma questão de opção consciente. Acabou-se o tempo em que “todo mundo era católico”, ao menos por tradição.

A realidade mudou muito nos últimos anos. As igrejas eletrônicas, os pequenos, ou grandes templos das diversas denominações se multiplicaram como grama em época de chuva.

Na mesma família “católica”, agora cada um segue a sua religião ou crença: evangélica, espírita, universal, etc.

Muitos trocam para experimentar ou porque encontraram “soluções” para seus problemas morais como por exemplo, bebida, drogas, vícios, ou financeiros, desemprego, falta de moradia, etc.

Não cabe aqui uma análise mais detalhada deste gigantesco fenômeno religioso, esta multiplicação de igrejas, este mercado que gera lucros enormes a quem sabe com “esperteza e competência” explorar a boa e ingênua fé do povo brasileiro.

Cabe a nós que queremos ser bons católicos um sério exame de consciência. Você está sendo capaz de vivenciar e transmitir a religião católica, verdadeira, alegre e exigente? Tem praticado os mandamentos da Lei de Deus e da Igreja? Tem dado exemplo de vida honesta, correta na família e sociedade?

E a missa dominical? Tem participado? Ela tem alimentado sua vida espiritual para produzir bons frutos no decorrer da semana? Sua família vive no amor verdadeiro, fiel e responsável? Há dialogo entre pais e filhos? E tem praticado a caridade?

E, apesar da correria da vida, dos compromissos, trabalho, estudo dos filhos, tem conseguido reservar um tempinho – mesmo breve – durante a semana para ler e meditar a bíblia, rezar o terço ou fazer alguns minutos de oração pessoal?

E ainda consegue ler algum bom livro católico, o catecismo ou alguma revista cristã?

Enfim, vale a pena.

Sim, vale a pena ser um católico consciente e comprometido. Um católico que sabe manter as boas tradições, costumes, e ao mesmo tempo é capaz de adaptar-se às novas situações e realidades da Igreja e do mundo.

A Paróquia Nossa Senhora Rosa Mística oferece boas condições para vivenciar o nosso catolicismo. E ainda precisa de sua colaboração nas diversas pastorais, movimentos e serviços e diversas obras de caridade que realizamos. E podemos repetir com sinceridade: eu sou um católico feliz, atualizado e participante.

Pe. João de Bona Filho – Pároco

Quaresma e Campanha da Fraternidade

A quaresma é um período de 40 dias que nos prepara para a Semana Santa e Páscoa.

É um tempo litúrgico forte e exigente para nós católicos. Somos convocados para a Oração, Jejum e Esmola, já na quarta-feira de cinzas, início da quaresma.

Pela Oração comunicamos com Deus e vamos orientando nossa vida pelos mandamentos e Evangelho de Jesus. Pelo jejum “dominamos” nossos instintos, sobretudo a gula, a ganância, tornando o nosso corpo mais saudável e resistente às tentações e aos vícios. Pela esmola, ou melhor caridade, ajudamos os que sofrem pela falta de pão, moradia, trabalho.

Durante a quaresma, a Igreja católica no Brasil, nos convoca para a Campanha da Fraternidade, alertando para um problema ou situação injusta de nossa amada e maltratada pátria.

Neste Ano a CF 2018 nos alerta para a situação de violência que assola o nosso país. E que nos atinge em todos os momentos e lugares. Com o tema: ” Fraternidade e superação da violência” e o lema ” Em Cristo somos todos irmãos” (Mt 23,8) somos desafiados a semear paz, perdão e combater as causas da violência, começando em nossa casa.

Todos nós vivenciamos a violência, começando, infelizmente, até em nossas casas. A raiva, a ira, emoções e atitudes sem controle ou medida, podem nos levar a semear violência. Assim também no trânsito, nas relações sociais, nos preconceitos e até em situações estruturais do país e mundo.

A Campanha da Fraternidade, fundamentada na Palavra de Deus nos propõe atitudes não violentas que possam nortear e transformar nossas vidas e a sociedade.

Vamos vivenciar com muita fé, esperança e caridade a quaresma para celebrarmos com muita alegria, paz, fraternidade a Páscoa que se aproxima, pois em Cristo somos todos irmãos.

Pe. João de Bona Filho – Pároco

Natal – Ainda nos resta uma esperança

É muito animador para nós cristãos, católicos, celebrar o Natal – o nascimento do Menino Deus, Jesus. É tempo de reavivarmos nossa esperança em Deus que conduz a história humana.

Face aos últimos acontecimentos, diante da barbárie humana que nos aterroriza e da insensatez da vingança que leva à guerra que mata milhares e até milhões de inocentes, temos a terrível sensação de que o mundo não tem mais jeito. Parece que tudo está perdido!

Os catastróficos de plantão anunciam “o fim do mundo”. Nós,  porém, cremos que Deus é o Senhor da História. Ele a conduz por caminhos misteriosos, muitas vezes insondáveis, para um “final feliz”.

O Natal de Jesus, celebrado cada ano com tanto encanto, alegria e espírito de família, nos renova na esperança. Deus não nos abandona.

O sorriso de uma criança é um sinal de que o mundo ainda pode ter paz, fraternidade, justiça. O planeta terra-água pode tornar-se um lar acolhedor, um “paraíso” para todos os seres humanos.

Somos otimistas, embora não cegos, diante do mal, do pecado, dos ídolos que desviam o ser humano do caminho da autêntica felicidade.

Ainda resta uma esperança. Ela não decepciona, pois se fundamenta no próprio Deus, que enviou o seu filho Jesus, não para condenar o mundo, mas para salvá-lo.

Que o NATAL de Jesus seja para nós, cristãos, a celebração do amor mais genuíno, da fé mais forte e da esperança renovadora. Que nos faça cantar com os anjos de Belém!

Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados.

Feliz e Santo Natal para todos e um Ano Novo realmente promissor!

Pe. João de Bona Filho  –  Pároco

Agradecimento pelas doações – Vicentinos

Partindo da revelação cristã podemos afirmar que Deus é amor (1 JO: 4-8). N’Ele e por ele está a razão de sermos e amarmos.

Que as famílias cristãs, animadas pelo amor e caridade, sejam felizes e se tornem verdadeiros os sinais luminosos do AMOR DE DEUS no mundo.

Os Vicentinos agradecem e louvam pelas doações de presentes recebidos da COMUNIDADE para a FESTA DE NATAL das crianças, filhos de assistidos da CASA DE CARIDADE NOSSA SENHORA ROSA MÍSTICA. Comunidade esta cheia de pessoas muito caridosas na medida em que solicitamos.

Que Deus abençoe e derrame bençãos sob bençãos!

Todos que doaram fizeram muitas crianças felizes!